Análise – A Invenção de Hugo Cabret

Postado por Fabian há 2 anos


Antes de mais nada quero dizer que escrever uma crítica para Hugo, foi um dos maiores desafios que já se apresentaram diante de mim em quase 11 anos escrevendo para sites e blogs. O Motivo? O filme está sendo vendido ao público como algo tão diferente do que ele na realidade é, e as surpresas no seu conteúdo são tão drásticas, que elogiá-lo e analisá-lo tornam-se ações delicadas. Ressalvas feitas, escreverei de modo sucinto, buscando não estragar as surpresas mas deixando claro que este NÃO é um filme para crianças.

A Invenção de Hugo Cabret mostra um garoto que, após perder seu pai, dedica sua existência a consertar um autômato, neste caso um “robô” de cordas capaz de escrever uma mensagem. Durante sua busca ele se envolve com Papa George, um dono de loja de brinquedos de cordas, e sua afilhada. Dizer mais que isso é estragar muito da experiência planejada por Scorcese. Há filmes construídos sobre um grande roteiro, outros são estruturados em cima de mensagens e sensações e Hugo faz parte deste segundo grupo.

Fazendo uso de uma narrativa lenta e extremamente inocente, o diretor constrói a homenagem definitiva a criação do cinema. A jornada de descoberta de Hugo, é uma viagem a origem da sétima arte e um resgate de um passado que, cruelmente, teimamos em esquecer. O uso do 3D aqui, não é um artifício para trazer crianças às salas do cinema. Scorcese usa-o com admirável propósito narrativo,  emulando as sensações únicas daqueles que estiveram na primeira exibição da invenção dos Irmãos Lumière. Quando os objetivos do diretor tornam-se claros, após os lentos 40 minutos iniciais, a sensação de deleite é grande demais para ser contida.

Enquanto homenageia a literatura fantástica, o cinema  e um de seus principais expoentes iniciais – dizer mais que isso seria destruir parte da beleza da película – o filme cria uma ode à própria inventividade ao mesmo tempo que tece uma mensagem construtiva de que todos temos o nosso propósito, nosso sentido e nosso brilho. Porém mais do que a mensagem poderosa e a busca da emulação de sensações que foram sentidas no século 19, Hugo é um filme biográfico. Uma cinebiografia de profunda genialidade e sutileza, criada através de um jogo de fumaça e espelhos como as ilusões realizadas pelos grandes mágicos do século passado. Não há modo melhor para mostrar a vida e a obra de alguém especializado em entreter através da magia e do sonhar do que retratá-lo de modo tão docemente inocente, inventivo e fantástico como neste filme.

No fim das contas Martin Scorcese realiza um de seus trabalhos mais ousados. Um truque. Um ato capaz de enganar milhões e, por isso mesmo, frustrá-los. Uma homenagem ímpar a um nome injustiçado e esquecido travestido de filme infantil em 3D. Uma película de coragem admirável e de execução brilhante.

A Invenção de Hugo Cabret é um filme  difícil de recomendar para quem não é um grande fã de cinema. Para os cinéfilos, entretanto, é um trabalho de profunda coragem e amor. Uma obra que nos arranca lágrimas de alegria quando descobrimos que ainda somos capazes de temer um trem saindo dos trilhos.

 

 

17 Comentários

  1. ingrid linda disse:

    Eu amei o filme foi legal e muito interesante,só não gostei do final ,mais fora isso eu amei,o final do filme o Hugo devia ter sido adotado pelo garda e a aquela mulher das flores,assim ficaria mais legal. Amei o filme. :)

  2. ROBBY SILVA disse:

    Um amigo me indico este filme dizendo que era muito bom, então estava esperando o filme do seculo, entretanto já não gostei por que o titulo diz sobre uma inversão que coloca curiosidade nas pessoas mais a realidade do filme não condiz com o titulo. Também ao decorrer do filme as ideias se misturam muito que acaba gerando um conflito de ideias. resumindo não foi oque eu esperava, não gostei.

  3. Camilla disse:

    lindo filme! realmente com um ritmo diferente dessas grandes produções que tem como objetivo atingir a grande massa. só tenho que discordar quando se diz que é difícil de recomendar para quem não é um grande fã de cinema, acho que só é preciso ser um pouco menos ignorante e apreciar mais sutilezas :)

  4. Gil disse:

    perdi dinheiro e 2 horas ! Que filme chato! ¬ ¬’

  5. rida disse:

    otimo filme ,simplesmente lindo amei………………

  6. Willian disse:

    *ESTE COMPLETO

  7. Willian disse:

    Esse filme é uma BOSTA, odiei d +, não acredito que gastei dinheiro pra ir ao cinema ver esta ompleto LIXO

  8. Pedro HP disse:

    Ótimo filme. Só não entendi o título, já que não vi nenhuma invenção de Hugo Cabret.

  9. Hugo Cabrito disse:

    Filme chato, monótono, feito pra quem é chato também, quase dormi na metade do filme e vi muita gente ir embora do cinema reclamando antes de acabar o filme, parece até filme brasileiro de tão ruim!!!

  10. arieldenis disse:

    Vi no cinema ontem e que filme apaixonante…

    É um grande resumo sobre porquê eu amo cinema…

  11. Cláudio Manoel disse:

    Fui com meus filhos ao cinema e tive de escolher entre Alvin e essa perola do cinema, acho que foi de proposito o apelo de vender como infantil, quem sabe isso não faça acender em algumas crianças o interesse de contar boas histórias no cinema.

  12. Lucas_lisboa disse:

    olhei foi um dos melhores filmes que já vi, achei q esse diretor só era bom em filme de terror, mas esse filme prova q o cinema pode e deve se reinventar e não ficar só essas frescurinhas de crepusculo e tal

  13. Guilherme disse:

    O livro é feito de um jeito estranho. A maiorias das paginas sao apenas fotos do que está acontecendo….. depois em grande letras explica o que aconteceu. Bem diferente. Mas não ruim.

  14. Daniel Barbosa disse:

    Pude acompanhar apenas o trailer, mas apenas com essa prévia deu para perceber que “A Invenção de Hugo Cabret” vem para ser um grande filme concorrente ao Oscar.
    Vou tentar assistir e deixar meu comentário mais a frente.

    Mas mesmo assim, ótima análise Fabian.

Deixe um Comentário